Jogos Olímpicos e Paralímpicos são adiados para 2021

Em meio à pandemia do covid-19, o Comitê Olímpico Internacional (COI) divulgou hoje uma nota oficial adiando as Olimpíadas e Paralimpíadas de Tóquio 2020. Em uma teleconferência, o Presidente do COI e o Primeiro-Ministro do Japão, decidiram que essa seria a melhor opção para assegurar a saúde de atletas, técnicos e todos os envolvidos, inclusive o público que assiste às competições.

Ainda não foi divulgada uma data específica para o evento, entretanto, deve ocorrer até o verão de 2021. O nome não sofrerá alterações, continuará como Tóquio 2020, mesmo acontecendo apenas no ano que vem.

A previsão do COI era de que 11 mil atletas participassem da 32ª Edição das Olimpíadas no Japão e que as provas recebessem até cinco milhões de espectadores de todo o mundo, nos 43 locais cedidos para as competições. Dentre esses esportistas, o Comitê Olímpico do Brasil (COB), estimava que 250 a 300 competidores brasileiros participassem dos Jogos, não se sabe se esse número passará por alterações.

Entre esses atletas estaria, possivelmente, Jhennifer Alves, a nadadora friburguense, que ainda participará da prova classificatória para saber se estará dentro ou não dos Jogos Olímpicos. Ela falou com a equipe TV Zoom sobre a preparação física que começou em dezembro, mas que neste período de quarentena, fica impossibilitada de treinar e acaba perdendo toda a evolução que vinha buscando nesses 4 meses.

Os Jogos de Tóquio 2020 eram apontados como os mais lucrativos da história. Porém, a previsão agora é que terá um impacto negativo no PIB do país. Ainda há muito que se discutir entre o Comitê Internacional e as autoridades japonesas  sobre as questões econômicas, como:

– Orçamentos;
– Devoluções de dinheiro do ingresso;
– Renegociações nos contratuais dos espaços.

Leia, na íntegra, a Nota Oficial de adiamento do Comitê Olímpico Internacional:

“O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, e o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, realizaram uma conferência por telefone nesta manhã para discutir o ambiente de constantes mudanças com relação ao Covid-19 e as Olimpíadas de Tóquio de 2020.

Estiveram juntos ainda Mori Yoshiro, presidente do Comitê Organizador de Tóquio 2020; o ministro olímpico, Hashimoto Seiko; o governador de Tóquio, Koike Yuriko; o presidente da Comissão de Coordenação do COI, John Coates; Diretor Geral do COI, Christophe De Kepper; e o diretor executivo dos Jogos Olímpicos do COI, Christophe Dubi.

Bach e Abe expressaram sua preocupação em comum com a pandemia mundial do Covid-19 e o que isso está fazendo na vida das pessoas e com o impacto significativo que está causando nos preparativos dos atletas em todo o mundo para os Jogos.

Em uma reunião muito amigável e construtiva, os dois líderes elogiaram o trabalho do Comitê Organizador de Tóquio 2020 e observaram o grande progresso que está sendo feito no Japão para lutar contra o Covid-19.

A propagação sem precedentes e imprevisível do surto viu a situação no resto do mundo se deteriorar. Ontem, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que a pandemia do COVID-19 está “acelerando”. Atualmente, existem mais de 375.000 casos registrados em todo o mundo e em quase todos os países, e seu número está aumentando a cada hora.

Nas atuais circunstâncias, e com base nas informações fornecidas hoje pela OMS, o Presidente do COI e o Primeiro-Ministro do Japão concluíram que as Olimpíadas de Tóquio devem ser remarcadas para uma data posterior a 2020, mas não depois do verão de 2021, para proteger a saúde dos atletas, todos os envolvidos nos Jogos Olímpicos e a comunidade internacional.

Os líderes concordaram que os Jogos Olímpicos de Tóquio poderiam ser um farol de esperança para o mundo durante esses tempos difíceis e que a chama olímpica poderia se tornar a luz no fim do túnel em que o mundo se encontra atualmente. Portanto, foi acordado que a chama olímpica permanecerá no Japão. Também foi acordado que os Jogos manterão o nome de Jogos Olímpicos e Paralímpicos Tóquio 2020″.

Deixe uma resposta