Educadores de Nova Friburgo aderem a paralisação nacional

Boa parte dos profissionais de educação do país estão com as atividades paralisadas nesta quarta-feira, 24.

A paralisação foi convocada pelo Conselho Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), e o motivo é a reivindicação contra a reforma da previdência.

De acordo com o Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (SEPE), em Nova Friburgo ainda não há um balanço de quantos profissionais aderiram ao movimento.

Ainda segundo o sindicato, um protesto está marcado para às 14h em frente ao colégio IENF, na praça Dermeval Barbosa Moreira.

Os servidores do município ainda tem outros questionamentos perante essa manifestação como: o reajuste salarial do apoio, plano de carreira, migração de regime, descongelamento do adicional de qualificação, 1/3 de planejamento e o cumprimento integral da Lei Complementar 040/2008.

Em nota a prefeitura informou que “A Secretaria de Educação de Nova Friburgo informa que o funcionamento da Rede Municipal de Ensino deverá ser normal nos três turnos desta quarta-feira, dia 23. Em relação às demandas do sindicato que está propondo paralisação, esclarecemos que, na campanha salarial de 2018, foi acordado que o reajuste dos servidores aconteceria em junho de 2019, após o aumento dado no ano passado. Portanto, quer sejam servidores do apoio, quer sejam do magistério, a Prefeitura cumprirá o que ficou acordado em 2018. Sobre o plano de carreira para os servidores do apoio, a Prefeitura tem um TAC assinado para que seja feito um plano para todos os servidores municipais, não podendo ser feito um plano em separado dos servidores do apoio. O plano global irá levar em consideração as características dos servidores do apoio da Educação, mas o cumprimento do TAC exige que seja um plano único, cuja comissão já foi definida, publicada em DO e está trabalhando para cumprimento do mesmo. Sobre o adicional de qualificação, os processos estão em dia e sendo liberados. Existe um prazo para o pagamento que é o mês de dezembro. Conforme análise favorável da comissão que cuida desses processos, serão pagos em dezembro, com valores retroativos à data de abertura do processo. Processos que tenham alguma exigência só podem ser pagos mediante o cumprimento das exigências e processos indeferidos não permitem pagamento. Cabe ressaltar, também, que todas essas informações foram passadas, pelo próprio secretário da pasta, ao sindicato que representa os servidores da Educação e ao que representa os servidores municipais. Ele recebeu representantes de ambos e passou todas as informações. Portanto, em relação ao município, não há justificativa para a paralisação proposta pelo sindicato dos servidores da Educação.”

Bianca Chaboudet

Bianca faz parte da equipe de jornalismo da TV Zoom. Escreve sobre os mais variados temas para o site tvzoom.com.br.

Deixe uma resposta