Aulas em escolas serão online durante pandemia

Através de uma live no Facebook na noite desta segunda-feira, 23, o secretário estadual de Educação, Pedro Fernandes, anunciou que as aulas nas unidades escolares, tanto públicas quanto privadas, passarão a ser de forma online. O prazo de suspensão das aulas presenciais era até a próxima segunda-feira, 30.

No vídeo, Pedro afirmou que o governo está negociando com uma plataforma do Google para a realização das aulas no modo de ensino à distância. O projeto será oferecido também para as escolas particulares que desejarem fazer uso do sistema.

Para alunos que não tem acesso à internet, a secretaria está elaborando materiais impressos para serem entregues aos estudantes e planeja, no retorno às aulas presenciais, reforço para auxiliar no ensino.

Aos estudantes do primeiro seguimento, mesmo de unidades que não sejam estaduais, há também a elaboração de materiais de ensino. De acordo com ele, esta medida está sendo tomada para que o ano não seja perdido e que também não seja ampliado, fazendo com que, possivelmente, percam também as férias escolares de fim de ano.

No modelo de aula online, cada dia trabalhado será validado como dia letivo, na intenção de manter os 200 dias de ensino, como prevê o calendário.

Aos professores que não tem acesso à internet de casa, Pedro disse que estão estudando viabilizar pontualmente a conexão ou até abrir a escola para que trabalhem de lá, seguindo os protocolos para evitar aglomeração.

SEM DATAS PARA AVALIAÇÕES

O secretário também afirmou, durante a live, que não há um modelo fechado de como serão as avaliações, e que, nesse primeiro momento, isso ainda não é a prioridade.

Estágios para escolas de formação de professores também estão paralisados, e voltarão apenas quando as aulas retornarem ao modo presencial.

Sobre funcionários terceirizados, Pedro afirmou que a secretaria está em contato com as empresas e foi solicitado que não seja feita nenhuma demissão neste período. Acordos também estão sendo feitos para que, além disso, não haja redução de salário. Em contrapartida, estudam uma forma de utilização de funcionários neste tempo sem aulas presenciais, ou a abertura de um banco de horas.

Não há prazo para início da prática online, e nem para retorno do modo presencial.

Imagem: Freepik

Deixe uma resposta